João Fabio Bertonha

fabiobertonha@hotmail.com

No campeonato do atraso, somos mesmo imbatíveis.

A conjuntura dos últimos tempos não deixa realmente de me surpreender. Num primeiro momento, considerei que o objetivo da remoção de Dilma do poder fosse simplesmente o retorno a 2002, ou seja, ao período pré-Lula. Uma volta à política neoliberal, talvez com um víés moralizador mais forte para dar conta dos recentes ares evangélicos, e pronto.

Logo percebi que estava equivocado e que o objetivo era maior, de retornar a 1988, antes da Constituição atualmente em vigor. Direitos então aparentemente consolidados, como saúde e educação, começaram a ser revogados. Se, antes, tais direitos ainda não estavam plenamente implantados, começaram a ser questionados até mesmo no plano teórico e legal.

1988, contudo, pareceu não ser suficiente e 1930 começou a se avizinhar no horizonte. Uma democracia apenas teórica ou formal, praticamente sem nenhuma proteção social ou trabalhista, uma economia agrário-exportadora, etc. Até escrevi um texto, nesse espaço, sobre como Temer seria o novo Washington Luís.

Pouco tempo depois, mais uma vez, o horizonte temporal se ampliou e a caminhada 1888 e 1889 se tornou evidente. Não no sentido formal (pois não pegaria bem recolocar a Monarquia no poder ou revogar a lei áurea), mas no prático. O sistema político está a ser plenamente reestruturado e reorganizado num esquema Mídia-Judiciário-Legislativo que torna praticamente impossível que qualquer tipo de perspectiva progressista volte a ser implantada no país. E a nova estruturação da economia e do mercado de trabalho implica na volta a uma economia plenamente agrário-exportadora e de exploração da mão-de-obra barata.

Examinando, contudo, o desmonte da política de defesa nacional e a rápida construção de uma política exterior de total subordinação aos interesses das grandes potências, especialmente dos Estados Unidos, fica evidente que nem o Império é o horizonte que se busca, mas o colonial, da América portuguesa. Um retorno ao passado de, ao menos, 400 anos é o que se busca nesse momento. Nada que deveria espantar, na verdade. Se o “modelo brasileiro” foi concebido naquela época e continua a beneficiar, em essência, os mesmos atores, por que não retornar ao seu início?

Em todos esses anos, o “modelo brasileiro” se revelou incrivelmente eficaz e adaptável para aquilo a que se propôs, ou seja, deixar muito ricos os senhores do país. Ele foi adaptado e modificado em alguns momentos. Vargas e mesmo os militares consideraram necessária a modernização industrial do país, ainda que em termos autoritários, enquanto boa parte das elites preferia o modelo agrário. Uma política externa independente foi buscada em alguns momentos, enquanto em outros se preferiu a simples subordinação. Ou seja, o modelo se alterou e se reconfigurou, mas nunca perdeu a sua essência. Agora, no cenário em que vivemos, seus atores e beneficiários se sentem seguros para fazê-lo retornar às suas origens.

E devem se sentir seguros, com certeza. Quem vive no Brasil não vê o menor sinal de resistência, revolta ou mesmo de consciência do que está a ocorrer. A máquina do tempo nos conduz para trás, num ritmo acelerado, e os que pagarão o pato, de verdade, não percebem ou não querem perceber. Os perdedores serão os pobres, as minorias, os empresários e microempresários que dependem de um mercado interno em desaparecimento e o país como um todo. Os vencedores serão os de sempre.

Claro, a volta ao passado nunca é perfeita. Vários elementos do mundo contemporâneo estão mais do que presentes e continuarão. A pós-verdade, a manipulação via mídia e redes sociais, o ódio político exacerbado, etc. Tudo continuará e não seremos obrigados a vestir roupas do século XVII ou usar a bandeira da coroa portuguesa. Mas o sentido do atraso está ai. O arcaísmo como projeto – já dizia o título do famoso livro dos historiadores Fragoso e Florentino. Mais do que verdadeiro.

A China ambiciona ser a grande potência do século XXI. Os EUA querem continuar a ser o que são. Nós não ambicionamos nada. E nem falo aqui de uma utopia ou sonho, mas simplesmente um capitalismo (e uma democracia) moderno, como o alemão ou o coreano. Para o Brasil, o eterno presente e/ou passado, de 1617, 1517 ou anterior.

Donald Trump faz (ou tenta fazer), nos Estados Unidos, uma política neoliberal radical, mas, no discurso, a ideia é de fazer voltar o relógio da História para os anos 1950, para uma época de bons empregos industriais, sem globalização e quando as minorias não incomodavam. Já na Turquia, o plano é ir para trás de Ataturk e dos projetos de Estado laico e moderno. Os EUA marcaram sua máquina do tempo para 60 anos, os turcos para 100 anos e nós para 400 anos ou mais. Parabéns, estamos vencendo. No campeonato do atraso, somos mesmo imbatíveis.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em agosto 9, 2017 por .
%d blogueiros gostam disto: