João Fabio Bertonha

fabiobertonha@hotmail.com

Sobre crimes e luta de classes

É inevitável, nos últimos dias, ser bombardeado por noticias referentes ao assassinato do menino no Rio Grande do Sul. Uma história de abandono e violência horrorosa e, talvez por eu ser pai, me deixou bastante comovido e, acima de tudo, revoltado. Entendo perfeitamente a revolta das pessoas e que a justiça deve ser feita. No entanto, não pude deixar de notar algumas coisas:

 

1) Até para cometer crimes, a falta de educação básica parece importar. A educação formal não produz automaticamente cidadãos conscientes e uma mão de obra preparada, mas é um primeiro passo. Essa falta afeta dramaticamente a nossa sociedade, fazendo-nos permanecer na posição de um povo passivo e alienado na maior parte do tempo e com enormes dificuldades em ter as menores tarefas feitas. No bar da esquina, na escola, em todos os lugares a falta de educação básica impede que as coisas sejam feitas de forma racional e eficiente. E isso até no crime. O que aquelas duas moças fizeram, em termos de planejamento e execução de projeto, foi de um amadorismo e de uma burrice sem fim, deixando pistas e evidências para todo lado. Não estou a discutir aqui a questão ética (e nem precisa, pois foi abominável), mas a simples execução. Elas fizeram Universidade, mas a minha hipótese é que apenas aprenderam algo técnico e pronto. Não desenvolveram o raciocínio e a capacidade de projetar e planejar algo ou, digamos de forma mais simples, de pensar além do umbigo.

2) Mas a questão central, claro, é a sensação de impunidade. Os envolvidos pertencem, ainda que em escala regional, aos que têm (propriedades, status, etc.) e isso os blinda de quase tudo. Em boa medida, creio que o ato cometido reflete a sensação de poder, de quem sabe que pode fazer o que quiser, pois estão protegidos. E o mais interessante é que são protegidos até na revolta popular. Observei que, quando se trata de ladrões ou estupradores das classes populares (normalmente, jovens negros e pobres) a grita nas redes sociais é por morte. “Borracha neles”, “Matar a semente do mal” e por aí vai. Não se pede justiça, que o criminoso seja julgado pelo seu ato conforme a lei (o que é correto, claro), mas que se instaure o terror. O grito contra a impunidade, na verdade, não é um grito para que as leis sejam cumpridas, como num lugar civilizado, mas que a patuléia seja mantida no seu lugar, a qualquer custo.

Já no caso desse menino, eu passei os olhos em algumas redes e o grito pela morte não aparece tanto ou é quase inexistente. Pede-se justiça, que eles sejam condenados, etc. Ou seja, para eles, pede-se o que devia ser a norma para todos, mas para outros é a porrada que vale. A revolta aparece, como seria impossível não aparecer, mas já cheia de nuances e poréns.

A violência doméstica ou geral parece ser vista mesmo dessa forma e só quando ela cruza fronteiras é que se torna problema. Se eu sou um dos que têm, eu posso bater na minha mulher ou nos meus filhos e ninguém tem nada a ver com isso. Se eu sou pobre e faço o mesmo, também ninguém se importa muito. Mas se um pobre atravessar a fronteira e roubar ou matar alguém de classe superior, ai o grito contra a impunidade aparece.

E ainda vão me dizer que não existe mais luta de classes ou sociedade de classes…..

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

Publicado em abril 21, 2014 por .
%d blogueiros gostam disto: