João Fabio Bertonha

fabiobertonha@hotmail.com

Fascismo na Ucrânia?

Fascismo na Ucrânia?

 

Depois da mudança política na Ucrânia, começaram a circular noticias de uma volta do fascismo no país, na presença maciça de neonazis nas manifestações anti-governo e no novo sistema que se impôs. Tal força fascista parece estar justificando, inclusive, a mobilização de tropas na fronteira, por parte dos russos, hoje.

Bom, temos que ter cuidado com isso. Não se pode subestimar a força da extrema-direita na Ucrânia, responsável por tantas atrocidades, especialmente durante a ocupação nazista. E essa extrema direita está presente nessas manifestações. Que melhor oportunidade, aliás, para conseguir visibilidade e poder extravasar sua agressividade do que essa?

No entanto, a força eleitoral deles continua abaixo dos 10% (abaixo, aliás, da força dos seus companheiros de ideias em vários países do Ocidente) e sua presença nas manifestações é superestimada tanto porque interessa à Rússia e aos opositores do novo governo dizerem que o fascismo está de volta porque a mídia, em geral, adora filmar manifestações neonazistas, que trazem impacto visual e audiência.

O que temos na Ucrânia são várias disputas ao mesmo tempo. De uma parcela da população que quer se integrar à Europa e outra que prefere a Rússia. Entre os que optam pelo modelo europeu (e que olham a “Europa” como algo menos territorial e mais ideológico) e os que preferem o russo, mais autoritário; entre dois grandes blocos geopolíticos (USA-EU e Rússia) que se enfrentam; entre grupos oligárquicos querendo espaço no Estado e na economia e entre grupos minoritários, mais importantes, que querem impor sua agenda. Desses conflitos todos sairá uma nova Ucrânia.

Os cenários prováveis são a guerra civil (como indiquei em post anterior), uma anulação da Ucrânia como país neutro entre os grandes blocos ou uma divisão amigável, com uma parte formando uma Ucrânia europeia e outra se incorporando à Rússia. Não vejo alternativas outras. Os neonazis podem tornar a vida difícil na Ucrânia para russos, judeus, estrangeiros, etc. e são uma força a ser considerada, mas as perspectivas reais de eles tomarem o poder é mínima e nunca seria tolerada pela Rússia e nem pelo Ocidente.  Dizer que o novo Estado é “fascista” é superestimar as forças dos verdadeiros fascistas e indica, acima de tudo, como o termo ainda tem imenso valor político para desqualificar o adversário.

Recomendo alguns artigos que andei lendo sobre o tema, para os que compreendem esses idiomas, claro.  O artigo em alemão, aliás, é especialmente recomendado, pois os alemães parecem entender o que está acontecendo na sua fronteira leste.

http://www.faz.net/aktuell/feuilleton/debatten/faschismus-vorwurf-ich-glaube-an-die-ehre-der-ukrainer-12820395.html

http://internacional.elpais.com/internacional/2014/02/26/actualidad/1393418613_266083.html

http://internacional.elpais.com/internacional/2014/02/25/actualidad/1393344064_727792.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

Publicado em fevereiro 26, 2014 por .
%d blogueiros gostam disto: