João Fabio Bertonha

fabiobertonha@hotmail.com

Haddad e a cracolândia, parte 2.

O meu texto sobre o Haddad e a cracolândia gerou alguns debates interessantes na internet e achei por bem responder a alguns dos argumentos apresentados nesse mesmo espaço, até para que mais pessoas possam ter acesso a eles. Dessa forma, farei um resumo do argumento apresentado e logo depois o meu comentário:

1)      A questão das drogas é mais complicada do que parece e não haveria como combater o problema sem, também, a culpabilização do viciado. Não haveria como prendê-los, pois eles não se curariam na cadeia e só dariam mais gastos aos que pagam impostos. Dar-lhes emprego poderia ser interessante, mas seria necessário verificar se é legal e se realmente funcionaria, já que os casos de recaída são constantes.

Que a questão é complicada, não há dúvida e qualquer resposta é cheia de desdobramentos problemáticos. O ideal é que ninguém usasse drogas, mas desde que o primeiro hominídeo viu que certas ervas e plantas dão prazer, não há mais volta. Reprimir a ferro e fogo, batendo e matando a todos seria uma solução horrível e nem resolveria o problema, pois novos viciados apareceriam e, tendo procura, haveria quem ofertasse o produto. Essa é uma lei do capitalismo, talvez a mais básica de todas. Além disso, depois de tantos anos de repressão sem diminuir de fato o problema, está na hora de pensar em alternativas.

Sobre recaídas e legalidade. Claro que as recaídas serão continuas, ainda mais se tratando de crack e qualquer gestor público sabe disso e tem que lidar com a questão. A legalidade é o de menos, pois se altere a lei caso seja preciso. A questão é tentar dar uma chance para que alguns saiam da situação. Todos sairão? Não, mas vale a pena tentar essa opção ao invés de descer a “borracha”, como tantos gostam de dizer.

Isso leva à questão da culpabilização do drogado e do traficante. Como escrevi, antes, não compartilho da ideia de que os traficantes são uma espécie de Robin Hood, pré-revolucionários ou algo assim. Aliás, traficantes de drogas são, acima de tudo, bons empresários capitalistas querendo vender um produto no mercado, atendendo e criando uma demanda, e competindo pela clientela. Mas, como eles agem num mercado não protegido pela lei e pelo Estado, já que é ilegal, eles disputam e cobram os devedores da forma mais direta e brutal possível. Imaginar que esses caras vão ser revolucionários, inimigos do sistema ou algo assim é sem sentido.

Quando ao drogado, é uma opção individual e a pessoa tem que arcar com sua decisão, claro. Tanto que a legalização tornaria tudo mais fácil. Se eu quero usar cocaína, por exemplo, e isso não atrapalha meu trabalho e eu tenho como pagar, sendo o único prejudicado eu mesmo, qual o problema?  Minha responsabilidade e pronto. Acho que o foi o Milton Friedman mesmo que disse algo assim, sendo favorável à legalização.

Mas se eu roubo para sustentar o vício, se bebo e dirijo, matando pessoas (no caso do álcool) ou se meu vício atrapalha outros, a questão passa a ser da coletividade e do Estado, que tem que agir de alguma maneira, seja reprimindo, seja tentando ajudar o cara a sair daquilo. A pessoa tem que ser responsabilizada, mas especialmente pelos atos que ela cometer derivados do uso da droga e, quando extrapola a esfera privada, se torna um problema da sociedade.

 

2)      Como aceitar controle estatal da produção e consumo de drogas se o Estado é ineficiente, corrupto, etc.

Minha defesa do Estado eficiente continua como sempre e a ineficiência do Estado seria um problema realmente. Agora, convenhamos, dá para dizer que os serviços privados são bons no Brasil? Quem usa a maioria dos serviços privados vê que não é assim e que nosso problema de ineficiência crônica vai além de privado/público, ainda que o Estado tenha realmente problemas específicos e graves.

No entanto, assim como não faz sentido dar o controle, digamos, das agências de preservação ambiental a fazendeiros, não seria razoável dar aos empresários do ramo (no caso, os traficantes) o controle desse mercado, pois, como visto, os danos sociais são potencialmente grandes demais. Eles iriam querer liberar todas as drogas possíveis, para maximizar seu lucro, e isso seria complicado. Eu creio que eles poderiam cuidar da distribuição e venda, mas caberia ao coletivo, ao Estado, estabelecer padrões e inclusive impedir drogas cujo impacto é excessivamente danoso.  Crack talvez fosse uma delas, pois, realmente, é a droga da morte.

3)      Sobre o Haddad e o IPTU, o argumento é que não se faz justiça social penalizando os ricos, que o bloqueio da lei municipal na Justiça foi legal e técnico e que, em alguns casos, o aumento do IPTU de uma casa de classe média seria de 150%. Eu, como petista, estaria defendendo um justicialismo social, que culpa o rico pelo sucesso e quer penaliza-lo.

Em primeiro lugar, não sou petista no sentido de aplaudir tudo o que o PT faz, pelo contrário. Sou de esquerda, mas posso e critico o PT no que for necessário. Oposições como as da Veja, por exemplo, me enojam não pela crítica em si, mas porque é visceral. TUDO o que o PT fizer está errado, não importa o que.

Sobre o IPTU, novamente o argumento legalista. Pode ser verdadeiro, pode haver uma tecnicidade envolvida. Mas eu acreditar na imparcialidade da Justiça, no seu estrito senso de cumprimento das normas, é pedir demais, ainda mais quando sabemos que as leis são escritas com todo o cuidado para gerar interpretações dúbias. Por que quem faz Direito deve ter um bom português? Para pegar as vírgulas ou palavras e interpretar do jeito que quer.

 

Penalizar os ricos?  Não me parece que eles seriam tão penalizados pelo aumento do IPTU. As propriedades, nessa bolha em que estamos, valorizaram muito e uma pessoa que reclama que seu IPTU subiu 200% é a mesma que venderá seu imóvel por um valor 200% maior. Não aprovo a Prefeitura de Maringá, mas eles fizeram algo parecido mesmo aqui e, a princípio, isso é correto, sendo o problema para onde irá esse dinheiro extra sendo a cidade dominada pela famiglia. O Haddad ainda teve a decência de diminuir, no projeto, o imposto dos mais pobres, ao menos.

Depois, trabalha-se sempre com a ideia de que os ricos são uns coitados, que trabalharam demais para conseguir o que tem, que todos invejam o dinheiro deles, etc. Esquece-se que a esmagadora maioria dos ricos e boa parte da classe média só tem seu dinheiro por herança (que vem de séculos, muitas vezes), pela exploração da mão de obra dos pobres e por causa dos impostos que esses caras pagam. Não é a toa que se cobra muito mais ICMS e IR no Brasil (impostos de renda e consumo) do que sobre a propriedade.

Ai vem a questão do assistencialismo. Dar bolsa família de 70 reais ou diminuir o IPTU de um cara na periferia não pode, é sacanagem eleitoreira, etc. Mas dar alguns bilhões de financiamento do BNDES para empresários pode, assim como os filhos da classe média estudarem na Universidade pública é perfeitamente aceitável. Não existe isso de alguns pagam e outros recebem. Pelo contrário, os que mais pagam (proporcionalmente) são os que menos recebem e defender ações para inverter isso não é penalizar os ricos, mas justiça, pura e simples.

Por fim, esse mantra de “deixemos os ricos enriquecerem que ai a riqueza fluirá naturalmente na sociedade” é muito bonito, mas não comprovado pela experiência histórica de nenhum país. No Chile, a situação social só melhorou mesmo quando a esquerda chegou ao poder e agiu contra essa ideia. Na Europa, onde o “assistencialismo” é política geral, está claro que excessos podem e devem ser cortados, mas a ideia de eliminar o “Welfare State” só é compartilhada pelos liberais. Aliás, nos locais onde esse projeto está mais avançado, como na Espanha, os resultados, em termos de desigualdade e disseminação da pobreza, falam por si só.

O único caso que eu conheço que se aproxima do modelo é o americano, onde o banquete dos muito ricos é tamanho que as sobras são muitas, beneficiando muita gente. Mas não é curioso que os EUA, tão ricos, tenham níveis sociais péssimos, em comparação com outros países ricos, como a Alemanha ou a Dinamarca? O mantra é bonito, mas não funciona.

4)      E o Haddad nem teria porque ser perseguido pelo PSDB, já que é tudo em essência a mesma coisa, tudo esquerda.

Direita e esquerda são filosofias políticas cujas bandeiras centrais mudam. Hoje, a disputa é entre Estado/mercado, aceitando-se que o capitalismo não vai ser derrubado em nosso tempo de vida. Radicais de esquerda e de direita pensam outras coisas, mas o centro do debate é esse. Nesse sentido, o PSDB, que começou na centro-esquerda, caminhou para o centro-direita, tanto que o governo FHC, ainda que não tão liberal como o do Chile do Pinochet, por exemplo, já estava nesse esquema. O PT caminhou para o centro, virando uma social democracia, mas sem sair do campo da esquerda. Já o PSDB mudou de esfera sim. A prova maior é simples. Quem se considera de direita, supondo que não vai anular o voto, votará em quem na próxima eleição? Dilma ou Aécio?

 

O comentário ficou longo, mas acho que o debate vale a pena.

 

 

 

 

Anúncios

Um comentário em “Haddad e a cracolândia, parte 2.

  1. Marta bellini
    janeiro 26, 2014

    Muito bom seu texto. concordo com seus argumentos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

Publicado em janeiro 26, 2014 por .
%d blogueiros gostam disto: